fbpx

Artigos

Para quem gosta do tema amor

Muitas pessoas gostam de falar de amor, ver filmes desse tema ou ler romances demasiadamente melosos e dramáticos com histórias fantasiosas e exageradas de relacionamentos proibidos ou perdidos.

Enfim, esses temas são atrativos para algumas pessoas e totalmente sem significado para outras. 

Poderíamos até dizer que, para a maioria das mulheres, o tema amor é sempre atraente e discutido e para a maioria dos homens é difícil e permeado por discussões racionais que levam este sentimento a um nível de praticidade que é confundido com um bom jogo de futebol, que é bom enquanto o time está ganhando.

Enfim, essa divergência de opiniões ao falarmos de amor tem a ver com um aspecto cultural, os homens na sua essência são realmente mais pragmáticos, racionais, determinados a serem provedores, protetores e praticantes da autoridade masculina. Durante muitos séculos, os homens foram compelidos a serem guerreiros, depois soldados e ainda, treinados para se responsabilizarem por sua família tanto no sustento, quanto na proteção.

Tema amor para as mulheres

As mulheres em essência precisam ser acolhedoras, unificadoras, mediadoras, carinhosas e amorosas com os seus. Não foram criadas para lutar e sim para pacificar. 

É como se a mulher representasse a beleza, a bondade, o acolhimento e a união. Para isso desenvolveu habilidades como serenidade, paciência, humildade, amorosidade e até submissão para permitir que seu companheiro se coloque sempre na frente das situações e  com isso, ela sinta-se amparada e protegida.

Tudo é uma troca. O homem, o herói, luta pela mocinha, derrota os inimigos, supera todos os obstáculos para conquistá-la e ela em troca, por amor e gratidão, se submete a ser companheira e parceira de todas as horas.

Piegas? Não, arquétipo!

Isso é mais um romance piegas? Não, isso representa o arquétipo de uma relação a dois, onde a troca é perfeita e não é questionada. Por amor, por quererem estar juntos, e por acreditarem um no outro, existe cumplicidade ao invés de competição,  compreensão em oposição a cobrança desmedida, vontade de estar junto no lugar da distância e da obrigação de realizar a vida. 

Este arquétipo existe a priori, e todo arquétipo tem seu potencial para se realizar na vida humana. Mas nem sempre as pessoas conseguem identificar isso e passam a viver segundo os moldes de uma sociedade ou de uma cultura, e não se realizam arquetipicamente, ou seja, com a sua essência, com o que existe de mais puro e nobre dentro do ser humano. E para essas pessoas  romance é piegas, é algo que só existe em histórias, filmes e novelas. Algo que o ser humano inventou para se enganar e esquecer o quanto a vida é dura.

Esta mensagem é para as pessoas que de alguma forma sentem que uma relação verdadeira é baseada numa troca sincera e de muito amor, respeito, cordialidade e gratidão. E, também com muita paixão.

Marilena Augusta R. Borges Bigoto, Especialista em Psicologia Clínica e Consultora Organizacional.  Sócia Diretora do ESEDES Espaço Elaborado para o Desenvolvimento da Essência do Ser. Site:  www.esedes.com.br  e-mail: esedes@uol.com.br  Fone:+ 55 (11) 98308-0607
Compartilhe este texto
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin

Marilena Borges

Graduada em Psicologia com especialização em Psicologia Clínica e Mestre em Filosofia. Sócia e diretora do ESEDES.

Últimos artigos

Rolar para cima